Jean Silva

Mauá -SP

Em 2010 comprou uma câmera, leu uns textos, viu uns vídeos, conversou com conhecidos e desconhecidos. A decisão estava tomada “vou ser fotógrafo”. A fotografia partiu do desejo de fazer parte de algo, de deixar um rastro, de agregar, estar em um movimento. Esse movimento foi a cena hardcore, afinal, ali já se encontrava como público e a ideia de ter banda não funcionou. Em 2012 já com uma nova câmera, decide ir fotografar um festival de bandas e algumas fotos vão parar no finado punknet.com.br. A partir disso, passou a infernizar a editora chefe para que pudesse fazer parte da equipe. Foi então que em 2013 passou a fazer parte da equipe e foi no mesmo ano que se mudou para o interior e iniciou o curso de fotografia. A partir dai, se torna comum fotografar bandas do abc paulista, capital de sp, interior paulista e algumas bandas internacionais. Em 2014, juntando a fome com a vontade de comer, entra em um carro com a banda CHCL e passa a registrar a rotina da banda durante 4 dias e apresenta como seu T.C.C no curso de fotografia. Recém formado em 2015, volta a morar em Mauá e inicia os trabalhos em um Atelier de Impressão, trabalhando na oficina adesivando fotos fineart, aprendeu a observar as séries fotográficas e a enxergar a riqueza de se registrar o cotidiano. Já havia o ganha pão como fotógrafo de eventos e na oficina adesivando foto, mas precisava de algo mais. Eis que nasce o Coletivo Indigesto, onde com mais um amigo, buscou a foto documental e o fotojornalismo, estando em manifestações, ocupações, projetos sociais. Entre 2014 e 2017 participou de algumas exposições, trabalhou com eventos sociais, fotografou bandas, cotidiano, criou séries fotográficas com celular e em 2018 achou que deveria parar. A pausa que significava quase não encostar na câmera, encerra em 2020, quando decide retomar os trabalhos e é nocauteado pela pandemia.